segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Nosso ser reside na aceitação do próximo

André Luiz é um dos espíritos que transcreviam pelo Chico Xavier, tem uma das mensagens mais lindas e de amor dentro do Espiritismo. Ele quem ajudou o Chico a se descobrir também.

Ainda não assisti o filme "Nosso Lar", mas já ouvi comentários e vi muita gente torcer o nariz de maneira preconceituosa (preconceito é quando a gente julga sem ao menos se dar a chance de conhecer).

Pelo que vi no treiler, nem todas as cenas são agradáveis, ainda menos para quem desconhece as pregações da doutrina. Mostra, por exemplo, o lugar onde as almas que não se encontram ou resistem à evolução, ficam penando, comendo limbo, literalmente.

É doloroso pra quem observa, mas pra elas não é tão difícil, porque desconhecem o que é bom e o fato de não desejarem mudar ou se sentirem "confortáveis" com a situação, com medo, sem fé para aceitar a transformação, dificulta ainda mais. Ser bom requer esforços, abrir mão de algumas facilidades ilusórias. 

O Espiritismo é uma doutrina de vida muito interessante, porque prima pela bondade e a aceitação do outro e da sua própria condição, que só muda quando você quebra preconceitos e amplia o olhar para o outro.

Ou seja, uma pessoa depende da outra pra evoluir. Isso nada mais é do que desprendimento, que leva ao amor e esse é o sentimento mais sublime que nos liga a Deus, o significado nato da palavra religião.

Ser espírita hoje é como ser moderno, ouço muita gente dizendo que o é, só porque frequenta vez ou outra os cultos, mas sequer conhece o fundamento da doutrina. Por outro lado, o fato dessas pessoas se abrirem a essa afirmação, de buscarem contato, é excelente, já que amplia a quantidade de corações dispostos ao conhecimento voltado a Deus, que é a proposta de toda religião.

Rezar Pai-Nosso se torna fácil, principalmente quando a gente precisa. Difícil é viver essa religião.
É mais do que simplesmente acreditar que exista um Deus Todo-Poderoso, importante também para que se viva emocionalmente mais feliz.

Mas compreender o outro e entregar-se a ele de maneira despretensiosa, viver na frugalidade, entender que nem todos são capazes de se doar, mas nem por isso não merecem também ser amados, praticar compaixão, solidariedade, estender a mão sem expectativa de retorno (porque, na real, ela sempre volta cheia do que ofereceu... quem se doa, nunca perde), isso tudo mantém dentro da gente o coração aceso, aquecido, pronto a receber, fortalecido mesmo quando o que se recebe não é exatamente o que se deseja.

Não sei se recomendo o filme pela obra cinematográfica, nem mesmo eu o vi ainda e, pelo que vi, já tenho algumas críticas. Fiquei confusa, por exemplo, com aquela mistura de modernidade e a referência do passado em que viveu André Luiz. Mas os tempos são diferentes para o "céu" e a "terra".

De qualquer forma, é uma oportunidade de ampliar o conhecimento, como falei.

Cresci no Espiritismo, orientada por meu avô Getúlio, um ser humano maravilhoso e repleto da disposição para a compreensão do outro e do amor ao próximo. Encarava a mediunidade naturalmente e a vida com muita fé, esse sentimento que só tem quem realmente consegue deitar a cabeça no travesseiro e dormir em paz pela confiança na melhora das coisas e no ser superior que nos protege.

Tento ser assim, educar minha confiança, minha fé de que tudo pode ser melhor e as coisas que a gente precisa, simplesmente acontecem quando nos fazemos merecedores.

Meu avô era espírita e nos ensinava a doutrina numa época em que ainda se falava quase nada sobre o assunto para não ser vítima de preconceito (ainda mais na escola), de maioria católica e minoria radicalmente evangélica.

Diversas coisas têm me levado a buscar meu interior e a valorizar ainda mais o que aprendi na infância. Ver o treiler do filme me fez retomar as boas referências transmitidas por meu vozinho. Amanhã (7), faz 12 anos que meu avô, um grande amor na minha vida, foi-se embora desse plano. Sinto muito sua falta. Sinto demais, como é difícil expressar...

Nesta semana, em que começa um dos meses mais lindos do ano, Setembro, da Primavera, do colorido da naureza, da opotunidade de renascimento, de "florescermos" e darmos bons frutos, vamos desejar paz, luz e felicidade a quem encontrarmos pelo caminho. Olhar o outro com bons olhos sempre.

Aqui o link para o treiler de "Nosso Lar": http://www.nossolarofilme.com.br/

Vai lá, dá uma olhada. Não é pecado, isso não existe. Você já nasceu perdoado.

Paz na mente.
Luz na alma.
Bondade no coração.
Quebre preconceitos.
Evolua sempre na qualidade de seu ser.

Um beijo muito carinhoso...

2 comentários:

Naty Litoldo disse...

É sempre delicioso ler seu blog... a maneira como você conduz o texto parece música....!
Saudade minha linda!
Beijo!

Fernando Borghi disse...

Parabéns mais uma vez por seu trabalho !!
abração