sexta-feira, 5 de agosto de 2011

No comando da nova vida


Aprendi que quando a gente não resolve, a vida resolve pela gente. Não é questão de acomodação, mas do tempo para se fazer as escolhas, dos limites pras soluções. Eu corria e às vezes ficava confusa sobre tudo o que eu queria, eram muitas coisas e imaginava quando seria o mais rápido possível para poder concretizá-las. Aí que veio a vida e deu o basta, impôs o limite, desacelerou a rotina, circuitou a chave da fase de energia.

Uma gripe é um problema de saúde e tantas outras coisas que não são da saúde, também são um problema sério pra muita gente, pois cada um tem uma forma de encarar. Resolver e tomar decisões é o que a gente faz a todo momento, desde a hora que abre os olhos.

Bem, eu descobri que o incômodo que me tirou a paciência, limitou meus movimentos, doeu bastante e cresceu estranhamente em meu abdômen durante um mês era um câncer. Há quem, ignorantemente, ache a palavra feia, podemos chamar de tumor cancerígeno pra amenizar. Atingiu principalmente meu útero e um pouco mais, tive que tirar tudo e dói pra caramba. Resolvi contar porque eu havia feito, como todos os anos, meus exames periódicos em novembro do ano passado e estava tudo ok. Daí em abril, já não estava mais. Passei mal em junho e descobri o problema, que um mês depois, já havia crescido 10 centímetros. Um horror, essa merda é agressiva e pensa que pode comigo.

De qualquer forma, resolvi que isso é sério e é no que estou tentando me fazer acreditar, porque acreditar que está acontecendo comigo é a parte mais difícil da história e nem estou falando de aceitação. É que minha aparência está ótima, só lembro quando dói mesmo e me derruba.

A vida decidiu me desacelerar, não teve acordo. Essa porra estava aqui não sei bem há quanto tempo e eu não ouvi minha intuição? Não atentei à minha essência? Não dei importância às mudanças que estavam me transformando numa pessoa estranha para mim?

Aos 38 anos, eu já me conheço muito bem. Fui relapsa com minha luz interior. E olha que sou bastante prática, não tenho nada de lunática ou cósmica. Li e gostei de uma coisa que a querida Fernandinha Galdi escreveu: “somos seres espirituais vivendo uma experiência humana”. Acho que não precisa sequer de qualquer outra preposição.

Quando digo que fui relapsa, também não estou me culpando ou cobrando. Não acredito em culpa e pecado, não sou uma mulher do século 15. É que essa descoberta me tirou o chão, sabe. A gente tenta todo dia fazer tudo o que precisa, conquistar conforto físico e equilíbrio emocional e espiritual.

Eu fiquei tão surpresa, puxa vida, não esperava por isso nem por nada do gênero, agora que estava começando a colocar em prática meus planos traçados, promovendo mudanças que estavam visíveis em meu sorriso, provando da liberdade que as boas escolhas me permitiam desfrutar.

Bom, mas entre as inúmeras dúvidas que surgiram sobre como agir, reagir, se comportar, pra onde ir, como ficar, vem junto uma certa vergonha de admitir uma coisa dessas sem parecer uma vítima instantânea e que em nada combina comigo. E é engraçado porque muita gente antecipa sua morte, que sequer há possibilidade de acontecer agora porque sou jovem e a alternativa envelhecer ainda ganha na minha trajetória.

Mas as limitações foram crescendo e, pra minha alegria, provei da sabedoria amorosa de muita gente sensível. Minha recuperação está sendo maravilhosa depois da cirurgia que dói pra caramba, mas bendito seja o barato da morfina – que me deu alergia, mas antes a coceira que a dor!

Eu to feliz comigo, sou uma italianinha incansável. Estou reservando energia para a próxima fase, que é a da quimioterapia. Se é terapia, já é bom. Ainda dependo do resultado da biópsia completa para saber de que cor minha quimio será pintada. Brinquei com o médico que poderia o cor-de-rosa, já que é mais feminina e, pelo que entendi dele, essa não é uma boa alternativa na escala do “arco-íris phoda”.

Seja lá qual for o tom, ouvi coisas bem legais em relação a perder o cabelo (e ainda acho que isso nem vai chegar a acontecer). Um amigo muito fofo me disse que, se acontecer, tenho porte, vou ficar imponente usando lenços na cabeça, parecida com aquelas princesas do Oriente Médio. Outro, disse que vou ficar estilosa com aqueles “tecidos” amarrados. “Vc é linda e vai ficar muito massa.” Outro ainda sugeriu que eu fume maconha, como é indicado pelo governo da Espanha para amenizar os sintomas da quimio. Não curto um beck, mas vou pesquisar sobre a legitimidade disso com o médico. Outro ainda, “perplexo” com a notícia, se ofereceu pra passarmos uma tarde vendo um filme, dando umas risadas e comendo brigadeiro de colher, porque a gente pode tudo nessa vida. Bom também foi ouvir “vou rezar por nós, pra que não faltem na minha casa ingredientes pra eu fazer sopas diferentes pra vc não enjoar”; fica tranqüila porque estamos “rentinhas”; a guerra só ta começando, querida, vamos nos armar com um fuzil carregado com uma rosa; e, o melhor de tudo, “tamo junto na atividade”.

Esses são alguns exemplos de coisas que as sábias pessoas que formam meu círculo falam com o coração e têm me ajudado com essa situação nova com a qual não sei ainda lidar, mas não me assusta. Aliás, se não tem nada pra falar, mande flores virtuais, como tenho recebido todos os dias de uma amiga-flor. Mas quero dizer, meus bons e deliciosos amigos e familiares, que “tudo vale a pena quando a alma não é pequena” e que “numa alma grande, tudo é grande”. Vocês são os anjos que acamparam ao meu redor, por isso sou uma pessoa muito feliz.

Nada é regra nessa vida. Tradições existem para serem quebradas, rotas podem ser mudadas, planos nem sempre dão certo e às vezes quando não dão, ficam até melhores. Porque tudo acontece como tem que ser, é assim que é.

Nem tudo são regras. Ser exceção não é rebeldia, também não é regra ser rebelde ou perfeito. Eu não sou uma regra, sou um ser único, como todo mundo, abençoada por Deus e bonita por natureza. Sem limites pra mudar 300% nas escolhas e tentativas de viver sempre melhor.

Vamos só tocando em frente.

Ahhh... tem um blog legal que descobri, que é escrito pela atriz Márcia Cabrita e chama Força na Peruca. É bem divertido e lá tem até umas dicas sobre o que dizer e não dizer pra quem tem câncer pra não encher o saco. http://marciacabrita1.blogspot.com/

É isso. Beijoooos!

5 comentários:

Valéria Rodrigues disse...

Grande Danni, bom dia. Estou acompanhando sua história com a distância daqueles que até sabem o que dizer, mas que preferem o silêncio da oração e meditação em seu nome.
A força que você revela no seu texto vem Dele, talvez seja a parte que falte para você compreender mesmo esse pequeno inconveniente que lhe acontece. Isso vai passar na velocidade da luz minha amiga e de marcas só restarão aquelas que se revelam mais importantes agora, essa fogueira de luau que se forma á sua volta... Se se há fogueira, há uma chama que queima forte e linda. Essa é você.
Beijo
Valéria Rodrigues

Fábio disse...

Dani, meu amor, como vc ta?

Bem, acho que chegou a hora, a hora de te escrever. É triste dizer isso qdo na verdade eu queria mandar à merda esse computador e correr até seus braços, conversar olhando em seus olhos, te abraçar e tomar chá de lichia, iguais aqueles de latinha que vende no posto, lembra? Sinto mto não estar aí fisicamente.

E vc entende qdo me refiro à esse "fisicamente". Digo que chegou a hora de te escrever pq eu não sabia ao certo qual atitude tomar. O Rubinho me enviou uma mensagem contando do seu problema, porém não tinha tantas informações e só me deixou extremamente preocupado, de mãos atadas, aqui, longe de vc.
Eu queria te escrever, mas estava esperando o momento, pois é difícil estar longe de tudo e de todos, muitas vezes vc perde a noção doq pode ou não fazer, tudo é motivo para pensar mil vezes antes de agir, às vezes faz merda em questão de segundos, enfim... Agora, após ler seu texto no blog, fico mais à vontade para conversarmos.

Estou sentindo mto a sua falta, e isso vem desde quando ainda estava em Piracicaba. Vc, em pouco tempo se tornou uma pessoa muito importante em minha vida e é responsável pela equipe que diariamente dá aquela geral em meu coração, aquela arrumada básica, sabe? Penso mto em todos aí, inclusive em vc, na história que é só minha e sua, de mais ninguém.

Fiquei triste qdo o Rubinho me contou, mas conhecendo vc como conheço, é questão de tempo até a Dani Ricci dar um tapa na cara dessa desagradável cilada. Não li o blog "Força na Peruca", mas sou seu amigo e sei que se eu falar algo que não deveria vc não irá se importar. Por isso digo que estou com vc, seja na Irlanda, ou na puta que pariu, ESTOU COM VC! Seu texto é perfeito e eu entendi cada letra, cada vírgula e me senti presente em alguns momentos que vc citou.

Dani, tenho orgulho de ter tido vc do meu lado em um dos piores momentos da minha vida. Agradeço por vc ter me ajudado de maneira tão única que só nós dois sabemos. Era mágico pra mim, me sentia entrando num universo novo e redescobrindo o mundo para o qual eu precisava nascer de novo. Considere-se, então, por assim dizer, parte também da equipe responsável pelo meu parto, meu renascimento este ano.

Meu coração está preenchido novamente, não te contei ainda. Mas quero mto. Se havia algum tumorzinho, foi removido por completo e eu estou feliz Dani. Quero te contar isso pq sei que vai ficar feliz, sempre comemoramos juntos o que a vida nos deu de bom. E qdo eu voltar, vamos comemorar tantas e tantas coisas juntos Dani, meu Deus como eu sinto saudade!!!

Eu fiz oq vc me pediu, sem querer eu achei aqui em Dublin um lugar que me encantou e eu, sem pedir permissão pra ninguém, peguei ele pra mim, como meu lugar. É um parque lindo, chama-se Saint Patrick´s Park, o padroeiro da Irlanda. Estou lendo “O Zahir” de Paulo Coelho, alguém MUITO ESPECIAL me emprestou para essa viagem dizendo que o queria de volta, então, eu tenho que voltar ao Brasil para devolver. Mas eu volto para entregar o livro e me entregar também. =) Então sempre vou lá nesse parque para ler, é uma delícia, um lugar cheio de flores coloridas, uma grama com um tom de verde que eu nunca vi antes, horas friozinho, horas quente. Sol gostosinho, crianças brincando como em filmes antigos... senhores sentadinhos nos bancos tomando sol, jovens com seus mp3 curtindo entre amigos. Enfim, é o meu lugar, ME SINTO LIVRE, penso mto em meus pais, no dono do livro, nos amigos... E, como escrevi esses dias em uma nota no facebook, muitas vezes desejo que todos estejam ali comigo curtindo aquele momento. Vc estão, em meu coração.

Segue duas fotos via mensagem no face do meu lugar aqui na Irlanda, como vc pediu! Ok! Fique com Deus, estou sempre em oração por vc, por nós! Eu te amo, sinto mta saudade e força na peruca, vc é linda, maravilhosa de qualquer jeito. E pegando carona nas dicas dos amigos, se precisar de peruca, aqui tem umas ótimas, lindas... tem até cabelo Pink, vc vai amar!!! =P

Te amoo Dani! Beijããããooo!!!
Fábio Gibelli

Ude disse...

Dânoca,
Vc é uma pessoa maravilhosa mesmo. Recebi seu e-mail e encaminhei a toda a redação. Também fiquei pensando sobre vc e sobre o câncer (como vc, vou ser corajosa e usar essa maledeta palavra, sem medo) e me pus a analisar os últimos meses. O que me moveu a pedir, a implorar, pra vc voltar ao JP? Qual seria a artimanha do destino para trazê-la de volta num momento tão especial? Cheguei a conclusão de que não foi artimanha de destino nenhum: foi Deus que, por meu intermédio, te trouxe de volta. Não porque vc seria menos amanda no seu outro emprego, nada disso. Mas porque aqui vc É AMADA. E ponto final. Se eu servi para alguma coisa, foi para isso. Não tenho dúvida de que nesse caso não houve coincidência. Aliás, eu nem acredito em coincidências. Foi porque tinha que ser e talvez a gente veja lá na frente uma resposta para isso. O que importa é que, no JP ou em casa, vc está próxima de todos nós. Porque vc faz parte dessa equipe, que graças ao Senhor Bom Deus, se ama, se respeita, sofre e se alegra pelo outro. Estamos com vc, Dânoca. Hoje e sempre. falo por mim e por todos os que integram essa equipe linda que tenho a honra de liderar. Vc é especial pra mim e eu sempre deixei muito claro isso pra vc. Estou aqui pra o que der e vier. Conte comigo, conte conosco. Esperamos vc, querida.
Um grande beijo
Ude

Fê Galdi disse...

Dani,
Ia falar, falar, mas perdi as palavras....
Só pelos recados aqui deixados neste seu ultimo post, dá pra ver o quanto é querida, amada, desejada!
Fico feliz em fazer parte da tua vida, que será para sempre....
Converso com você ao vivo e a cores logo mais!
Te adoro!!!

Marcelo Gimenes disse...

Querida, só li agora sobre seu câncer mardito! Que merda! Se puder fazer algo daqui me diz. Reza é comigo, meu santo é muito forte. Já coloquei ele pra trabalhar. Fica tranquila! Tenha certeza de que estaremos mandando muita energia boa pra você e vaiando esse mardito desse filho da puta!
Agora, assim que tudo passar - pois vai passar, vc sabe - não vai ter outra opção: vc vai ter que visitar a Holanda! Arrumei uma desculpa pra vc estourar o seu cartão de crédito: presente de fim de câncer! Férias na Holanda! Assim vc fuma maconha na rua mesmo, caso vc se acostume aí ;-)
Querida, coma muito brócolis, inhame (santo remédio) e framboesas. No mais ria muito e descanse bastante. Você já venceu!

Beijo grande, Marcelo+Jaap+Paul+Luuk