quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Como mel para melancia



A melancia é parente da água?? Eu como feito beber água. Adoro essas coisas que não têm gosto muito acentuado nessa época e o barulhinho da melancia sendo mordida ééé.... E a cor? Oh, fruta bonita! Mas acho que tem algo mágico em comer uma melancia, que representa um certo poder. E sei qual é. Está ligado ao facão que a pessoa encrava e vai cortando aquela frutona enorme da maneira como bem entende, tirando parte da polpa e da casca, comendo e deixando escorrer a água da melancia pela boca, cair na roupa, uma lambuzeira!!!  
Isso é que é bom, se quer saber... as sementinhas incomodam um pouco, mas será que isso também não faz parte do processo de paciência que a gente deve ter na vida com as coisas boas e passivas??? Fico olhando a melancia sobre a pia da cozinha. Me encosto ao lado. A faca encravada sobre ela, em sua polpa vermelha, como a espada de Arthur. Ela me convida, como se quisesse me convencer de que tem o poder de tirar esse amargo que está em minha boca. Mas essa sua leveza é contraditória. Veja bem: vc vai comendo como se fosse leve e quando vê, está estufado. Porque, afinal, é um alimento orgânico, não é uma fantasia! 
Mas é possível criar histórias em cima de uma melancia. Não estou com vontade agora. Só comecei pra dizer simplesmente que adoro melancia e deu nisso... essa mãozinha que quer trabalhar, os dedos não param e vou digitando, falando com os olhos, tentando somar as ideias, dar forma a algum pensamento coerente, tentar fugir um pouco do mal estar. 
Na verdade, acho que é possível filosofar sobre todas as coisas, inclusive sobre uma melancia. E não necessariamente é preciso falar. A proposta é que as pessoas sintam melhor as coisas do dia-a-dia. Apreciem os detalhes. Quando se tem todos os sentidos funcionando em perfeita harmonia, sem desequilíbrio por qualquer questão que seja, a gente corre o risco de esquecer o valor que eles têm. Como o sabor que muitos acham sem graça da melancia (e para mim é como mel), o barulhinho da polpa dissolvendo na boca, o caldo escorrendo pela pele, a sensação de tocar as diferentes superfícies da fruta, a necessidade da paciência para se livrar das sementinhas, o poder do momento em que vc se encontra frente à frente com aquele desafio de comer o suficiente para não sair rolando e passando mal, reclamando: parece que eu engoli uma melancia! 
Bom, é isso, chega. Aproveite minha proposta de observar as coisas um pouco melhor, dar valor, dar vazão à sua criatividade, relaxar. Pare de criticar os outros e tentar prever o que desejam. Ninguém quer nada tanto assim, só que o dia termine bem.  

2 comentários:

Luciana Romano disse...

Engraçado...eu tinha acabado de comer uma fatia de melância qdo li. Resultado, fui comer outra pra prestar mais atenção!! Hahahaha. Muito bom!!!

Dani Ricci disse...

Muito bom, Lu!! hahaha... Valeu! Beijão!